Kiri Te Kanawa

Poucos dias atrás, a soprano neozelandesa Kiri Te Kanawa anunciou a sua reforma definitiva após cinco décadas de brilhante carreira, que começara como cantora pop, género que abandonou assim que foi cativada polo canto lírico. De facto, é uma pessoa crítica com os denominados talent shows. Acha que é preciso um amplo período de estudo prévio, pois a exigência de produzir som cada noite precisa da construção duma boa musculatura que permita que as cordas vocais estejam ativas.

Abrangeu um extenso repertório ao longo da sua carreira, desde o Barroco até a música contemporânea. Figemos uma breve seleção de vídeos com algumas das suas interpretações mais celebradas.

“Dove sono i miei momenti” é uma ária que canta a Condessa em Le nozze di Figaro de Mozart, onde acha de menos aquel tempo em que se sentia amada polo seu marido. Lamento não poder oferecer uma versão de teatro, pois sou pouco adepto deste tipo de filmes.

Giuseppe Verdi tem um papel importantíssimo na sua carreira, escolhemos o “Ave Maria” que canta a Desdemona no Otello.

Te Kanawa foi uma das cantoras que gravou a banda sonora de West Side Story, cuja música foi composta por Leonard Bernstein. Neste vídeo aparece com o próprio compositor e com Josep Carreras.

Concluímos com “Im Abendrot” [No sol-pôr/arrebol], o último dos Vier letzte Lieder [Quatro últimas canções] de Richard Strauss, que nesta ocasião interpreta com a BBC Philharmonik Orchestra dirigida por Georg Solti.

0

Violetta Valery

A ópera nasce a princípios do século XVII fruto do interesse duns intelectuais italianos ligados a um grupo chamado Camerata Bardi. Sabiam que os dramas da Grécia clássica se representavam cantados, e trabalhárom por encontrar uma fórmula que lhes permitisse recuperar o género. O mito de Orfeu foi o predileto para levar à cena musical, como figêrom Jacopo Peri, Giulio Caccini e, sobretudo, Claudio Monteverdi. Durante quase dous séculos a ópera vai-se surtir fundamentalmente de temas mitológicos até a chegada do Romantismo quando se incorporam também histórias procedentes de diversos períodos do passado.

Giuseppe Verdi era uma pessoa comprometida com o ser humano do seu tempo, além duma figura de grande carga simbólica no processo de unificação da Itália. Isto provocou-lhe não poucos problemas com a censura. Em Un ballo in maschera tivo de substituir a figura dum rei por um governador pois considerava-se inaceitável levar um regicídio ao palco. Em Rigoletto o vicioso rei de Victor Hugo passou a ser um duque, assunto do qual já falámos anteriormente.

O libreto de Francesco Maria Piave recolhe o fundamental de A dama das camélias de Alexandre Dumas, isto é, uma história contemporânea duma prostituta de alta sociedade que morre sozinha e abandonada por causa da hipocrisia da época. E esta alta sociedade foi a que assistiu à primeira representação de La Traviata no teatro La Fenice de Veneza em 6 de março de 1853. A estreia foi um autêntico insucesso, talvez por uma conjunção de maus intérpretes e dum tema que retratava algumas das misérias da sociedade do momento.

Continue Reading…

0