Verdi e outro Filipe da Espanha

O rei Filipe II começou essa lenda negra que parece ter-se estendido a outros monarcas homónimos do trono espanhol. Imos aproveitá-lo para falar hoje do personagem que criou Verdi numa das suas óperas mais maravilhosas: Don Carlo. Foi estreada originariamente em francês, em 1867, com libreto de Camille du Locle e de Joseph Méry inspirado no drama de Schiller Don Karlos, Infant von Spanien (1787). No entanto, seria uma ópera revisada várias vezes e traduzida também ao italiano, língua em que se costuma interpretar com mais frequência.

O Filipe verdiano é um monarca sem misericórdia, que não tolera a mínima discrepância e que se submete ao ditado das autoridades religiosas, pois ao remate duma conversa com o Inquisidor mesmo afirma: “Dunque il trono piegar dovrà sempre all’altare!” [Portanto o trono deverá-se sujeitar sempre ao altar]. Este magnífico duelo de baixos entre dous personagens escuros é uma auténtica jóia. Eis uma mostra, com o mítico Nicolai Ghiaurov no rol principal e Ferruccio Furlanetto no do Inquisidor:

Outro magnífico momento é o duo com o Rodrigo, Marquês de Posa, um defensor da causa flamenga, que o rei consegue por um tempo atrair ao seu bando para enfrear as pretensões do seu filho Carlo, grande amigo do marquês. Prometo voltar a este personagem noutro post, pois o seu intensíssimo e emocionante duo com o infante Carlo merece um tratamento especial. Agora proponho esta interpretação de Simon Estes (Filippo) e de Renato Bruson (Rodrigo):

Finalmente, chegamos ao grande momento deste personagem, que é quiçá uma das mais formosas árias de baixo: “Ella giammai m’amò… Dormirò sol nel manto mio regal”. O rei lamenta-se de não ser amado pola sua esposa, Isabel de Valois, quem continua namorada do seu filho Carlo fruto dum encontro anterior ao matrimónio acordado com o rei. Mostra a sua frustração por ele, o omnipotente rei, não ser capaz de conhecer o que passa no coração dos seus súbditos. Seleccionei esta versão de concerto do mítico Cesare Siepi.

Havemos regressar a este título…

0

Cinco momentos que che farão adorar Don Giovanni

Il dissoluto punito, ossia il Don Giovanni é uma das três óperas que Wolfgang A. Mozart escreveu sobre um texto de Lorenzo da Ponte. Trata do mito de Don Juan e foi estreada em Praga em 1787. Apesar de ser catalogada como dramma giocoso, o certo é que as partes dramáticas têm muito mais peso que as cómicas.

Mozart escreveu o papel protagonista pensando no cantor Luigi Bassi, um barítono bastante ligeiro de reconhecida elegância e bom gosto. No entanto, a centralidade do registo deste rol (nem mui agudo nem mui grave, o qual não significa que seja um papel fácil) permitiu que fosse (e seja) defendido magnificamente por baixos como Nicolai Ghiaurov ou Cesare Siepi; por baixo-barítonos como George London ou Ruggero Raimondi e por barítonos mais líricos como Dietrich Fischer-Dieskau ou Thomas Allen. Como muitos dos tipos vocais que conhecemos atualmente são fruto da ópera romântica, não nos devemos estranhar da variedade de intérpretes e de vozes que podemos ver nas óperas do génio de Salzburgo.

Logicamente, numa ópera que dura em torno de três horas poderíamos recomendar muitos outros momentos maravilhosos, com personagens como Donna Anna, Don Ottavio ou Zerlina. Mas estou convencido de que, depois de escutar estas propostas, não vais poder evitar buscar e ver a opera inteira.

Continue Reading…

0