Sedia la fremosa

Hoje vou falar desta maravilha gravada polo grupo Manseliña, formado por Maria Giménez, Belén Bermejo, Pablo Carpintero e Tin Novio. Trata-se de um disco que fai essa necessária conexão entre a nossa música culta medieval e aquela de índole tradicional que chegou aos nossos dias. O seu título -e o nome do grupo- está tirado duma cantiga de amigo de Estevão Coelho, musicada também neste disco junto com um alalá de Noia:

Sedia la fremosa seu sirgo torcendo,

sa voz manselinho fremoso dizendo

cantigas de amigo.

Assim, encontramos também emparelhadas cantigas de Santa Maria como “Rosa das rosas” ou “Virga de Jesse” com “A flor da iagua” e com uma espadelada de Penosinhos, “Ay, ondas que eu vin veer” ou “Quantas sabedes amar” de Martim Codax com “Alipreste, ramo triste” e com “Muito chorei eu”.

Muitos parabéns, portanto, para o Manseliña e longa vida para este CD!

0