Cinco momentos que che farão adorar Don Giovanni

Il dissoluto punito, ossia il Don Giovanni é uma das três óperas que Wolfgang A. Mozart escreveu sobre um texto de Lorenzo da Ponte. Trata do mito de Don Juan e foi estreada em Praga em 1787. Apesar de ser catalogada como dramma giocoso, o certo é que as partes dramáticas têm muito mais peso que as cómicas.

Mozart escreveu o papel protagonista pensando no cantor Luigi Bassi, um barítono bastante ligeiro de reconhecida elegância e bom gosto. No entanto, a centralidade do registo deste rol (nem mui agudo nem mui grave, o qual não significa que seja um papel fácil) permitiu que fosse (e seja) defendido magnificamente por baixos como Nicolai Ghiaurov ou Cesare Siepi; por baixo-barítonos como George London ou Ruggero Raimondi e por barítonos mais líricos como Dietrich Fischer-Dieskau ou Thomas Allen. Como muitos dos tipos vocais que conhecemos atualmente são fruto da ópera romântica, não nos devemos estranhar da variedade de intérpretes e de vozes que podemos ver nas óperas do génio de Salzburgo.

Logicamente, numa ópera que dura em torno de três horas poderíamos recomendar muitos outros momentos maravilhosos, com personagens como Donna Anna, Don Ottavio ou Zerlina. Mas estou convencido de que, depois de escutar estas propostas, não vais poder evitar buscar e ver a opera inteira.

1. Abertura

A abertura é uma peça instrumental situada ao começo da ópera. Em geral tem uma função de ambientar-nos no que vai acontecer depois, mesmo pode avançar melodias ou motivos musicais que se vão escutar mais adiante. Apesar de ser definida esta ópera como dramma giocoso, a gravidade dos primeiros acordes já nos situa na dimensão real desta obra. Proponho esta versão dirigida por Riccardo Mutti numa função no Teatro alla Scala de Milão.

2. “Madamina, il catalogo è questo”

Também conhecida como a “ária do catálogo”, o servo de Don Giovanni, Leporello, enumera-lhe a Donna Elvira -uma antiga amante do cavalliere- a quantidade de amantes que este tive nos diversos países, sendo a Espanha, com “mille e tre”, o lugar mais frutífero (pois a ação desenvolve-se em Sevilha). Vale a pena seguir o texto.

O rol de Leporello é um exemplo de baixo buffo, uma categoria vocal não determinada diretamente por um registo vocal -pois nela podemos encontrar tanto baixos como barítonos- senão pola capacidade cómica do intérprete. O barítono Sesto Bruscantini foi sem dúvida um dos grandes buffos do século XX, como podemos comprovar neste vídeo.

3. “Mi tradi quell’alma ingrata”

Como já dissemos, Donna Elvira è uma antiga amante do libertino aristocrata que foi abandonada pouco antes de casar. Apesar de ser consciente da verdadeira natureza dele e de ter-lhe jurado ódio e vingança, o certo é que não pode deixar de amá-lo e mesmo se volverá declarar na cena final. Nesta ária, que enlaça previamente com o recitativo “In qual eccessi.. O Numi!”, lamenta-se precisamente da traição de Don Giovanni.

Este papel foi interpretado tanto por sopranos como por mezzos, mas sempre por vozes cheias de cor e com um centro carnoso. Para esta ocasião escolhemos a soprano turca Leyla Gencer, uma dessas poucas privilegiadas que a natureza dotou de potência sonora e de agilidade, o que se denomina uma soprano dramática de coloratura.

4. “Là ci darem la mano”

Este duo entre o Don Giovanni e a Zerlina é uma das cenas de conjunto mais populares da história da ópera, polo que não será necessário fazer uma análise mui a fundo. A Zerlina é uma rapariga comprometida com o Masetto, mas que por uma argúcia no nobre acaba sozinha com este duvidando se ceder ou não ante os seus encantos. Esta peça destila sensualidade já desde o recitativo prévio -que também podes escutar nesta ligação–  e proponho comprová-lo nesta histórica gravação do Festival de Salzburgo com o mítico baixo italiano Cesare Siepi e a soprano alemã Erna Berger.

5. “Don Giovanni, a cenar teco m’invitasti”

O momento culminante. Um mito como Don Giovanni não poderia ser caçado por um simples mortal. Terá de vir o Comendador -a quem assassinara ao começo da ópera- desde a sua tumba para levá-lo ao inferno apesar de lhe oferecer a oportunidade de se arrepentir. Três incríveis vozes para completar esta seleção: Samuel Ramey (Don Giovanni), Kurt Moll (Il Commendatore) e Ferruccio Furlanetto (Leporello).