Guillem Carbonell: “Estamos na época da tirania dos encenadores e das suas equipas”

Guillem Carbonell Riera (Barcelona, 1967) licenciou-se em Arqueologia e em História da Arte pola Universidade de Barcelona, mas a sua paixão polo drama musical converteu-no num dos diretores de cena operísticos mais prestigiosos do mundo. Trabalha no Teatro Real de Madrid desde 1997, onde participou em mais de cem títulos de ópera e de ballet com as maioria dos principais encenador@s, diretor@s musicais e cantor@s do nosso tempo. Nesta entrevista ajuda-nos a entender melhor como é a montagem duma ópera, quais são as suas funções e dá-nos a sua visão da situação do género na atualidade.

 

Qual é a função geral dum diretor de cena?

É um ofício do teatro. É a pessoa responsável da organização dos movimentos e dos efeitos cénicos dispostos polo encenador, e intermédia entre este o resto da equipa ténica. É o stage manager dos países de língua inglesa, o régisseur francês -de onde toma o castelhano o termo “regidor”-, o Inspizient alemão ou o direttore di scena italiano, e é considerado como a máxima autoridade no palco e o responsável direto do espetáculo logo que começar a função ou o ensaio.

No mundo do espetáculo ao vivo, os diretores de cena são as pessoas que têm por missão montar as obras conforme com o acordado pola direção teatral e levar a ordem do espetáculo durante o decurso do mesmo, prevendo e avisando os atores e os técnicos das suas respetivas intervenções cénicas e seguindo as diretrizes especificadas na correspondente partitura, que funciona como roteiro. O regedor intervém nas três fases duma produção, isto é: pré-produção, ensaios e representação.

 

Como se organizam a pré-produção e os ensaios?

Na fase de pré-produção, a tarefa do diretor de cena é o estudo do projeto e a confeção do roteiro, assistência aos castings e a preparação de listagens de necessidades cenográficas, de vestuário e adereços.

Os primeiros ensaios costumam começar numa sala de ensaios. Os cometidos do diretor de cena nesta fase são assistir o encenador e intérpretes com os seus adereços, marcar tempos de ensaios, anotar entradas e saídas de intérpretes, atualizar a informação, coordenar e informar a produção e a direção técnica do desenvolvimento dos ensaios e coordenar e informar produção e direção técnica do desenvolvimentos destes e coordená-los com provas de vestiário, realizar a citação diária junto com o diretor de cena e comunicá-la, entre outras tarefas.

Depois os ensaios realizam-se no palco, onde deve ocupar o seu posto o diretor de cena e, mediante o sistema de intercomunicação, dá as ordens das mudanças de decorado, luzes, efeitos de som que se fossem fixando na primeira fase de ensaios.

 

Qual é a função do diretor de cena durante as representações?

Deve fazer a comprovação de que todos os elementos técnicos e humanos estão preparados para começarem a representação e depois dar os avisos de início de função. Logo, mediante o sistema de intercomunicação, vai dando as prevenções e as execuções pertinentes a cada secção para que o espetáculo decorra segundo o estabelecido durante os ensaios pola direção cénica. Em caso de imprevisto, deve tomar ele as decisões pertinentes, mas todo o trabalho realiza-se conjuntamente com o técnicos.

 

Que che levou a dedicar-te a isto?

A verdade é que foi uma conjunção de fatores que propiciárom a decisão. Estava-me a preparar para ser mestre de História, a verdade e, enquanto estudava, comecei a trabalhar como ator ou figurante no teatro do Liceu da minha cidade natal (Barcelona). A doença da ópera veio-me com tal paixão que resolvim dedicar-me a isto profissionalmente. Comecei a estudar solfejo e a ampliar os meu conhecimentos em idiomas (inglês, italiano e francês), tudo isto compaginado com os estudos universitários e com o trabalho.

Continue Reading…

0

Antón de Santiago: “Não concebo melhor prazer que o do canto lírico”

Por 0 , Permalink 0

Antón de Santiago Montero (A Corunha, 1944) não precisa de apresentação para qualquer profissional ou afeiçoad@ ao canto lírico na Galiza. Neto do mítico dramaturgo corunhês Nito, com quem deu os seus primeiros passos na cena, este homem do Renascimento leva dedicado toda a sua vida à interpretação, ao ensino e ao estudo da arte do canto, além doutras muitas atividades que aparecerão nesta conversa. Este sábado, na corunhesa igreja de Santiago, o primeiro lugar no que cantou, um grupo de alun@s e amig@s faremos-lhe um concerto-homenagem ao que convidamos a todo o mundo a que se una.

Como é que numa época na que a gente quer retirar-se o antes possível tu teimasses em trabalhar até o último minuto que che permitirom?

Não concebo melhor prazer que o do canto lírico e, no seu lugar, orientar a gente nova para que alcance um bom nível técnico e interpretativo. Por min, eu ainda continuava…

E que diferenças vês no sistema desde que começache a dar aulas?

Se bem os alunos são similares em faculdades e em talento, como também na diversidade das suas personalidades, no anterior sistema ou plano de estudos (o do 66), alcancei os melhores resultados, pois podia orientá-los desde o primeiro momento até a fim da carreira. E assim os houve que lograram matrícula de honra e prémio de fim de carreira. Agora também se pode conseguir, mas com mais esforço.

Que possibilidades laborais tem uma pessoa que estuda hoje canto num conservatório superior?

Qualquer sucesso passa sempre por ter as indispensáveis faculdades vocais e por alcançar um nível superior à hora de cantar. Também hai que reunir certas doses de ambição -sem vaidades- e de determinação para poder aprender constantemente.

Se pudesses volver atrás, terias feito alguma cousa doutro jeito? 

Continue Reading…

0

Avelino González: “Cheguei à ópera graças às zarzuelas que ia ver com minha mãe”



O Avelino González é um dos profissionais cénicos mais prestigiosos da Galiza. Tivem o prazer de trabalhar com ele numa produção de The Telephone de Gian Carlo Menotti para a Real Filharmonia de Galiza. Desde o primeiro momento fiquei surpreendido pola sua capacidade de gerar ideias e de adaptar-se a um meio, o drama musical, que não era habitual para ele. Quando decidim pôr em marcha este blogue, tinha a certeza que devia ser com uma conversa com ele.

Continue Reading…

1